Vi esse filme com exatos 11 anos. Naquele tempo eu era tão desajeitada quanto o personagem central do filme. Total foi meu encanto por um filme longo, que passava por muitas décadas do século xx e inclusive passou a ajudar nas aulas de história do colégio nos meses seguintes.

Não sei se era o Tom Hanks, a trilha sonora caprichadíssima (top ten até hoje dos meus setlists) ou a combinação dos fatos, histórias e nonsense que  voltam sempre à tona quando penso em como contar um causo, montar um aula ou concatenar ideias naquela prospecção caprichada a um cliente. Sempre me imagino a mesma criança, ávida, curiosa e instigada, que busca fazer e responder todas perguntas que surgem no árduo percurso de um storytelling.

Tem muita gente muito boa trabalhando na área, conseguindo a convergência de várias mídias em prol de comunicações bem-feitas, engajadas, com sentido. Ainda me sinto como o tiozinho sentado no banco da parada de ônibus, mas esse video ajuda a ver um pouco das possibilidades.

via